10% das salas de cinema do país voltam a funcionar com máscaras e distanciamento obrigatórios

Escrito por em 21/09/2020

Quarenta municípios do país já reabriram seus cinemas.

A retomada do funcionamento das salas de cinema no país já começou, e de forma cautelosa – apenas 10% das salas já voltaram a funcionar. Cada município determina suas próprias regras para a reabertura, mas uma coisa não muda: máscaras e distanciamento são obrigatórios para todo mundo.

Quarenta municípios do país já reabriram seus cinemas. São prefeituras que autorizaram a retomada das atividades, de acordo com a queda do número de casos. Entre as capitais estão Manaus (AM), Fortaleza (CE), Belém (PA) e Salvador (BA). Tudo com o protocolo de segurança.

“Todos os funcionários com máscara, face shield, uniforme apropriado. Um controle do uso dos toaletes, não permitindo lotação exagerada como é muito comum na saída do cinema”, destaca Caio Silva, da Associação Brasileira das Empresas Exibidoras Cinematográficas.

A maior dúvida do público é se existe risco de ficar numa sala fechada com ar condicionado. Segundo os representantes dos cinemas, as grandes salas têm um sistema que capta o ar da atmosfera, purifica e joga de volta ar limpo para dentro da sala.

“Esta revisão, em termos de uma manutenção preventiva do ar condicionado, é fundamental. A gente julga e espera que o estabelecimento faça ou que tenha alguma vistoria em relação a isso, nessa retomada. Nada tem risco zero, nada, tudo que a gente for fazer, você pode até medir, um risco maior, um risco menor, mas algum tipo de risco a gente vai correr porque estamos no meio de uma pandemia”, diz a infectologista do Hospital Emílio Ribas Rosana Richtmann.

Já a volta dos teatros ainda está mais complicada. “É inviável economicamente. Os teatros, além de ter uma capacidade muito menor da sua lotação, tem que fazer investimento em todos os protocolos sanitários, que são a distribuição de álcool gel, a sanitização, a limpeza do ar condicionado, a abertura de janelas e portas”, ressalta Eduardo Barata, presidente da Associação de Produtores de Teatro.

Fonte G1


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]