Homem que humilhou entregador já se envolveu em confusão no condomínio

Escrito por em 10/08/2020

Esta semana, dois flagrantes viralizam na internet e provocaram indignação e revolta.

Foto Reprodução/Internet

Dois flagrantes de racismo provocaram indignação nesta semana. Um Matheus no Rio de Janeiro e outro Matheus em São Paulo. O Matheus do Rio só queria trocar o relógio que comprou de presente para o pai. O Matheus do interior de São Paulo só queria fazer o seu trabalho como entregador.

Agressor: Seu lixo. Você tem inveja dessas famílias aqui.
Matheus: Eu também posso ter a mesma coisa que o senhor.
Agressor: Você tem inveja disso aqui (mostra a pele). Você nunca vai ter. Você trabalha de motoboy, filho.
Matheus: E daí?
Agressor: Você trabalha de motoboy. Você é semianalfabeto, moleque.

“Ele começou a me xingar de preto, mexer no braço, tipo, falar ‘ó a minha cor, é diferente da sua’. O objetivo dele era me menosprezar, dizer que eu era menor que ele”, relata o motoboy Matheus Pires Barbosa.

Ele foi fazer uma entrega na casa de Mateus Almeida Prado, num condomínio de Valinhos, no interior de São Paulo. Por causa da pandemia, o entregador tentou deixar a encomenda na portaria e aí começou a confusão. “É a segunda casa, não tinha motivo, eu não quis subir. Foi o que eu comentei com ele, que ele não era bem falado. Fiz esse comentário em tom de brincadeira, para tentar quebrar o gelo, porque eu vi que ele estava estressado”, diz Matheus.

De acordo com o motoboy, o dono da casa costuma ser mal educado com os entregadores. “Começou falando que eu era moleque, que eu não tinha direito de falar isso pra ele. Que ele era rico, que eu era pobre, motoboy. Teve até o momento que ele fez a expressão se fazendo de macaco, batendo no peito. Quando ele falou que eu era preto, que eu era motoboy, percebi que ele estava cometendo um crime.”

Em outra ocasião, Matheus Pires já tinha sido agredido verbalmente pelo mesmo morador por causa da demora numa entrega. “O aplicativo mostra o endereço exato para a gente ir. E deu em outro lugar. Deu em uma rua mais embaixo. Eu procurei na internet onde era a casa dele e cheguei um pouco atrasado. Daí ele disse pra mim: você é burro, você não sabe o lugar?”

A confusão mais recente durou pelo menos duas horas. Mas o vídeo que viralizou nas redes sociais gravado por vizinhos tem poucos minutos e não mostra tudo. “Ele cuspiu em mim, pegou notinha do restaurante e jogou em mim dizendo que eu era lixo. O objetivo dele era me menosprezar. Meu maior medo era ele realmente me agredir”, conta o motoboy.

“Não podemos esquecer que o racista sempre quer matar o outro, e quando eu digo matar o outro é matar a dignidade, a autoestima, o orgulho. E hoje em dia cada vez mais nós, negros ou pardos, nós temos orgulho das nossas raízes, e a conduta do Matheus e a reação do Matheus é impressionante por causa disso: ele não perde a paciência, ele não hostiliza, ele não vai às vias de fato. Ele simplesmente diz: mas porque você faz isso? Ah, eu tô trabalhando, eu não tenho inveja de você”, explica Fabiano Machado.

O Matheus motoboy chamou a Guarda Municipal e os dois foram parar na delegacia. “Perante o delegado, ali na delegacia, ele me chamou de favelado e coisas do tipo.”

O episódio gerou uma onda de revolta nas redes sociais em todo país e principalmente na cidade. Muita gente passa em frente ao condomínio onde tudo aconteceu protestando contra o agressor. Isso gerou, inclusive, insegurança. O condomínio fixou um cartaz dizendo que os “moradores não compactuam com o morador em questão” e a PM precisou ser chamada.

O pai do agressor alegou que o filho sofre de esquizofrenia. Na delegacia, apresentou um atestado médico de tratamento. O pai disse, em nota, que Mateus recebeu educação para tratar com respeito o próximo, independente de classe social, credo ou raça. Valores que lhe foram furtados pela esquizofrenia. E pediu desculpas ao motoboy, sua família e todos os trabalhadores que se sentiram atingidos com o episódio.

Fonte G1


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]